Diabetes e o Olho – O Tratamento da Retinopatia Diabética

A doença que atinge mais de 150 mil pessoas por ano no Brasil é uma das principais causas de cegueira irreversível. No Maranhão, o HRO – Hospital de Referência Oftalmológica é uma das referências no tratamento da doença.

O diabetes é uma das doenças crônicas mais prevalentes no mundo e atinge pessoas principalmente na sua fase adulta. O diabetes está associado a diversas complicações como falência dos rins, do sistema nervoso, do coração e dos vasos sanguíneos. Um dos principais órgãos lesados pelo diabetes é o olho, e dentre as complicações oculares, a pior delas é chamada Retinopatia Diabética, que é a principal causa de cegueira em adultos.

Dr. Wener Cella, especialista em Retina, oftalmologista do HRO – Hospital de Referência Oftalmológica, alerta para a importância de tratar os primeiros sintomas a tempo. “A consulta oftalmológica regular é a principal forma de detectar e cuidar desses problemas de visão. O alerta é importante porque, na maioria dos casos em que o paciente procura por um especialista, o problema já se agravou a ponto de se tornar irreversível. No caso da Retinopatia Diabética, que já é uma complicação do diabetes, o diagnóstico precoce permite que o tratamento adequado possa ser realizado de forma mais eficaz”, diz Cella.

A retinopatia diabética é tratável?

Dr. Wener Cella: Existem 3 tipos principais de tratamento para a Retinopatia Diabética: laser na retina, injeções intraoculares de anti-inflamatórios e cirurgia de vitrectomia. Quando a retinopatia diabética compromete a parte central da visão, a pessoa começa a enxergar embaçado. Nessa situação, geralmente, o tratamento é feito com as injeções intraoculares de medicamentos, com o objetivo de diminuir o inchaço do fundo do olho e melhorar a visão.

A cirurgia de Retinopatia Diabética é recomendada?

Dr. Wener Cella: Em casos mais graves, quando a pessoa não consegue mais enxergar bem, recomenda-se a cirurgia de vitrectomia, com o objetivo de tentar melhorar a visão. As injeções intraoculares de medicamentos (farmacoterapia) e a cirurgia de vitrectomia são o que há de mais moderno no tratamento da retinopatia diabética.

Vale destacar que quanto antes for feito o diagnóstico e o tratamento, melhores são as probabilidades de recuperação da visão. Do contrário, o paciente pode perder gradualmente a capacidade de enxergar.

Fonte: Assessoria de Imprensa – HRO

Rolar para cima